Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

O ateu e o engraxate

Um menino cantava alegremente um canção religiosa enquanto engraxava os sapatos do freguês.

Querendo gozar do pequeno engraxate, perguntou-lhe o freguês:

- Por que você canta tão forte e tão alegremente?

- Porque Deus é um bom Pai.

O ateu, que há pouco havia comprado um saquinho de laranjas, tirou uma e ofereceu para o garoto desafiando-o:

- Dou-lhe esta laranja se você me disser onde está Deus.

Sem interromper o trabalho, o menino respondeu com firmeza:

- Se eu tivesse, daria duas laranjas para o senhor me dizer onde é que Deus não está.

(desconheço o autor, recebido pela internet)

domingo, 17 de junho de 2012

O vidro e o espelho


Deus não condena as riquezas, mas o mau uso delas. Porém, é de se notar que o dinheiro, muitas vezes, torna-se um empecilho para a prática das virtudes. Sem dinheiro não se vive. Precisamos dele para sobreviver. Mas o apego excessivo aos bens materiais, nos cega. A caridade cristã ensina que, quem tem mais, deve sempre ajudar quem tem menos. Recebi um e-mail muito interessante sobre o assunto, e resolvi fazer esta postagem.  

Um jovem muito rico foi ter com um rabi, e lhe pediu um conselho para orientar a vida. Este o conduziu até a janela e perguntou-lhe:

- O que vês através dos vidros?

- Vejo homens que vão e vêm, e um cego pedindo esmolas na rua.

Então o rabi mostrou-lhe um grande espelho e novamente o interrogou:

- Olha neste espelho e dize-me agora o que vês.

- Vejo-me a mim mesmo.

- E já não vês os outros! Repara que a janela e o espelho são ambos feitos da mesma matéria prima, o vidro; mas no espelho, porque há uma fina camada de prata colada ao  vidro, não vês nele mais do que a tua pessoa. Deves comparar-te a estas duas espécies de vidro. Pobre, vias os outros e tinhas compaixão por eles. Coberto de prata – rico – vês apenas a ti mesmo. Só valerás alguma coisa, quando tiveres coragem de arrancar o revestimento de prata que tapa os olhos, para poderes de novo ver e amar aos outros.

(lenda da Tradição Judaica)

quarta-feira, 13 de junho de 2012

São Pedro e Judas

Houve certa vez, um  diálogo silencioso entre São Pedro e Judas traidor:

- Se você, Judas, em vez de se enforcar, tivesse procurado Jesus para confessar sua covardia, dizendo: “Eu fiz um grande crime. Estou arrependido. Perdoe-me”, Jesus o perdoaria.

Pausa. Pedro lembrou-se da cena no pretório de Pilatos na Quinta Feira Santa... Sua negação. O olhar de repreensão que  Jesus lhe dirigiu quando foi levado de um juiz para outro. Das lágrimas de arrependimento que não pararam de correr pelas faces, a ponto de formar dois sulcos... e continuou

- Judas, eu fiz coisa pior. Neguei nosso Mestre por três vezes. Sou muito mais culpado que você. 

E Pedro, ainda com os olhos marejados de lágrimas lhe teria dito:

- A diferença é que chorei arrependido. E você teve remorso apenas. Achou que não tinha perdão. Por que desconfiou da misericórdia de Jesus? – (Fonte:  P. Milleriot, jesuíta).

Fonte: Boletim do Padre Pelágio

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Até quando?


A crise em que vivemos só nos dá tristeza. Nascemos para horizontes grandiosos previstos por Nossa Senhora, quando disse em Fátima: “Por fim meu Imaculado Coração Triunfará”, mas até lá viveremos nessa desolação?

Aleph. Quómodo obscurátum est aurum, mutátus est color óptimus, dispérsi sunt lápides sanctuárii in cápite ómnium plateárum!

Beth. Filii Sion ínclyti, et amícti auro primo : quómodo reputáti sunt in vasa téstea, opus mánuum fíguli? Jerúsalem, Jerúsalem, convértere ad Dóminum Deum tuum.

(Aleph. Como se obscureceu o ouro do templo e como perdeu sua cor tão bela! As pedras do santuário estão dispersas pelas esquinas de todas as ruas.)

(Beth. Os nobres filhos de Sião, que vestiam ouro finíssimo, são tratados como vasos de barro, obra das mãos do oleiro! Jerusalém, Jerusalém, converte-te ao Senhor, teu Deus!)

Foto é do site:
http://www.consciencia.org/resumo-sobre-a-obra-dos-padres-jesuitas

PS: O trecho em latim foi extraído da Bíblia (livro Lamentações do Profeta Jeremias - Antigo Testamento)