Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

domingo, 26 de janeiro de 2014

O lar de Deus

Pergunta, meu amigo, àquele homem qual é o lugar mais agradável do mundo. Decerto responderá:

- O meu lar. É ali que me sinto realmente feliz.

Pois bem, meu amigo, o lar de Deus é sua Igreja. Lá, vou encontrá-Lo. Sinto-me bem ao Seu lado. Comunico-me com Ele.

Davi disse: “Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senhor”.

Deus chamou à Igreja, o lar de Deus, onde recebo força para brilhar entre os homens, porque Jesus ordenou: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens. Para que vejam as vossas obras, e glorifiquem vosso Pai que estás nos céus”.

Na Igreja, falo com Deus pela voz da prece e Ele fala comigo pela Sua palavra. Aprendo lá como viver, como louvar o Seu nome e como trabalhar – cooperando com Ele.

Escreveu Jackson de Figueiredo:

“Só vejo no mundo um ideal à altura de uma verdadeira consciência: servir à Igreja, defendê-la, espalhar cada vez mais o seu espírito, aponta-la como único refúgio da bondade e do amor, como única força, como amparo, único realmente seguro, à inteligência e à sensibilidade”.

Nunca te arrependerás:
De teres refreado a língua, quando pretendias dizer o que não convinha ou o que não era verdade.
De teres formando o melhor conceito sobre o proceder de outrem.
De teres perdoado aos que te fizeram mal.
De teres contribuído para o sustento da tua Igreja e obras de beneficência.
De teres cumprido pontualmente tuas promessas bem pensadas.
De teres suportado com paciência as faltas alheias.
De teres simpatizado com os oprimidos.
De teres pedido perdão por falta cometida.
De teres recusado ouvir anedotas inconvenientes e ler escritos da mesma natureza.
De teres escolhido, com prazer, pensamentos, discursos e leituras edificantes.
De teres pensado antes de falar.
De teres honrado a teus pais e superiores.
De teres sido cortes e honesto em tudo e com todos.

(C.C.M.S.) – Lendas do Céu e da Terra.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

A simplicidade que traz alegria

Um dia o tédio vem. Imaginemos uma família, onde cada um só pensa em si mesmo, a moral é ditada pela matéria, sem religião, sem amor. A mãe só tem pensamentos no luxo da vida e nas futilidades do dia-a-dia. O pai, grande e velho empresário, só tem atenção para o dinheiro que vai ganhar e para o futebol. Os filhos, coitados, sem qualquer atenção ou formação moral, são educados pelo “mundo”, entre as arrogâncias que fazem questão de portar. Que família é essa!!!

Um dia o tédio vem. E foi assim que num desses dias, entediado o velho e grande empresário, saiu de sua casa para trabalhar em seu carro, com os vidros escuros fechados, desfrutando os “sabores” do ar condicionado. Frustrado com o seu cotidiano começou a pensar que tinha tudo, mas faltava-lhe a felicidade. Estava sempre rodeado de pessoas, mas faltava-lhe amigos. Tinha uma família, mas lhe faltava amor. Que vida é essa!!!

Ao chegar perto do cruzamento, fechou o farol e ele teve que parar. Observou que havia uma menina muito pobre com um tabuleiro de doces, oferecendo seu produto de carro em carro. Observou bem e achou muito bonito e gracioso o vestidinho que usava aquela pequena criança.

Entediado das pessoas que costumeiramente o cercam, resolveu abrir o vidro e talvez comprar um chocolate daquela menina pobrezinha, não porque queria comer, mas para se distrair um pouco.

Ao se aproximar do automóvel, vendo o rosto sério e entediado do empresário, a menina lhe perguntou:

- Qual a capital da Paraíba?

Por essa ele não esperava. Pensava em comprar um chocolate e ganhou um sorriso e amabilidade por parte da menina. Brotou um sorriso espontâneo na face do empresário que respondeu:

- João Pessoa.

- Compre um chocolate que eu saio “numa boa” – respondeu com rima a pequena menina.

Isso fez o empresário dar um sorriso ainda maior.

Vendo que ele estava gostando, mas não comprava nada, a menina insistiu:

- Qual é a capital do Piauí?

Já todo sorridente o empresário respondeu:

- Teresina.

- Então compre um chiclete que eu saio “de fina” – respondeu sorrindo a menina.

Isso fez com que o empresário desse uma boa risada.

Olhando para o carro muito elegante do empresário, e percebendo se tratar de gente que tem muito dinheiro, a menina continuou:

- Qual a capital de Pernambuco?

O empresário estava gostando desse diálogo tão relaxante e descontraído:

- Recife.

- Então compre logo tudo e mostre que tem “cacife” – imediatamente respondeu a menina.

Com um largo sorriso o empresário perguntou quanto custava todo o tabuleiro. E a menina respondeu que tudo custava cinqüenta reais... Tão pouco para tão grande conforto dado ao empresário que imediatamente comprou tudo o que ela estava vendendo.

A menina pegou o dinheiro, dobrou e colocou na sua bolsinha, e foi embora feliz. Curioso o empresário estacionou o carro e viu que a menina tinha entrado numa Igreja que havia no meio do quarteirão. Pensou: “o que aquela menina faria dentro daquela Igreja?”, e resolveu segui-la.

Desceu do carro e foi atrás da menina dentro da Igreja. Só que na Igreja não havia ninguém. O empresário inconformado procurou a menina por todos os cantos e altares da Igreja e não a encontrou. Onde foi parar a menina? Sentou num banco e começou a notar melhor o ambiente em que estava. Era o interior da Igreja de Nossa Senhora Auxiliadora. Aquela calma, aquele silêncio, aquele ambiente falavam mais em sua alma do que o maior e mais eloquente dos discursos. Eram palavras de paz, de amor, de silêncio. Sentia tranqüilidade. Parecia que todos os seus problemas haviam sumido. Somente então percebeu que nesse marasmo do mundo moderno, somente quem tem a Deus é que é feliz. Disse para si mesmo: Deus existe verdadeiramente, e talvez tenha enviado um anjo para me atrair para a Igreja e trazer-me a paz e a calma do espírito.

Recebido pela Internet, desconheço o autor.

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

O saber e a ciência

"Não presumas de alta sabedoria, mas confessa a tua ignorância" (Rom. XI, 20).

Dizia São Gregório Magno: "O sinal mais certo da condenação de uma alma é o orgulho".

Há muitos homens – disse São Bernardo – que querem saber só para saber, e é curiosidade; há outros que querem saber para serem conhecidos por sábios, e é vaidade; outros que querem saber para vender o que sabem, e é interesse; outros que querem saber para edificar o próximo, e é caridade; e, finalmente, há outros que querem saber para edificar-se a si mesmo, e é prudência.

Não deixa a ciência de ter suas vantagens, pois que vem de Deus; mas esconde ela um grande laço e uma grande tentação: “A ciência envaidece”, diz São Paulo, “alimenta a soberba, inspira uma secreta preferência de si próprio e, ao mesmo tempo, louca porque a mais vasta ciência não é mais que um outro gênero de ignorância e a verdadeira perfeição consiste unicamente nas disposições do coração”.