Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Os passos da penitência

Um santo anacoreta vivia em região árida e deserta, onde não existia outro habitante. Ficava-lhe a cabana no cimo de um outeiro, entre pedras e cascalhos. Todos os dias o solitário religioso descia do seu refúgio para ir buscar água numa fonte que ocultava o seu murmúrio entre as ensombrantes folhagens de um bosque. A caminhada era longa e fatigante.

O anacoreta pensou: “Que necessidade tenho eu de sofrer todos os dias essa penitência? Mais simples será que eu venha morar ao pé da linfa”.

E assim fez. Abandonando o seu outeiro pedregoso e desprotegido, passou a viver na suave quietude de uma alameda convizinha da sussurrante fonte.

Na primeira noite, porém, em que descansava no seu novo tugúrio, teve o seu sono agitado por estranho sonho.

Sonhou que ao atravessar um bosque encontrara um anjo que chorava.

- Por que choras? - perguntou-lhe.

- Sou um cervo do Senhor! – respondeu o anjo. – Encarregou-me Deus de contar, todos os dias, os passos de tua penitência quando descias da cabana e vinhas à fonte. Pela grandeza de teu sacrifício seria avaliada a tua recompensa. Agora nada mais me resta a fazer.

E, proferidas tais palavras, o anjo desapareceu.

Ao despertar, meditou o anacoreta sobre o sonho que o havia assaltado e reconheceu a verdade contida nas palavras do choroso servo de Deus.

Transportou novamente a sua cela para o primitivo sítio e jamais lamentou o sacrifício que fazia quando, por íngreme ladeira, descia em busca de refrigério.

Bem sabia o santo que os passos de sua penitência diária, contava-os Deus para que a canseira do corpo lhe garantisse, na vida eterna, a serenidade da alma.

Sobre as três portas principais da célebre Catedral de Milão há três inscrições. Por cima da primeira porta está esculpida uma grinalda de rosas com esta legenda:

“Tudo que dá prazer, dura um só momento”.

Em cima da outra acham-se uma cruz e este dístico:

“Tudo o que nos aflige é momentâneo”.

A grande porta central ostenta, porém, num escudo de ouro, esta epígrafe:

“Somente o que é eterno tem importância”.

Autor: Malba Tahan – Lendas do Céu e da Terra
Foto da internet.

2 comentários:

  1. Deus seja louvado! É o que eu precisava ouvir esta manhã... Obrigado pelas lindas postagens... Pax

    ResponderExcluir
  2. Para refletir..... super bacana, quando não vemos sentido para um esforço que consideramos inútil....

    ResponderExcluir